sexta-feira, 29 de abril de 2011

Um triste momento para a esquerda latinoamericana


Joaquim sendo levado como um criminoso pelo exército da Venezuela

UM TRISTE MOMENTO PARA A ESQUERDA LATINOAMERICANA

Nosso blog desde sua criação em 2008 se propôs a ser mais um dos milhares de blogs de esquerda que contribuem modestamente com a luta anticapitalista, que é permanente e mais do que necessária. Nos situamos no campo da esquerda, principalmente uma esquerda anti-dogmática, libertária, onde cabem os marxistas conselhistas,os anarquistas, os bolivarianos, os guevaristas, ou seja, todos e todas que com as variadas carrentes anticapitalistas fazem no dia dia o bom combate por um mundo melhor, mais humano e menos mercantilizado, mais livre e democrático. Nesse sentido apoiamos as experiencias que mesmo com seus límites contribuem com esse processo de luta. Assim Cuba, Bolívia, Equador, Nicarágua, El Salvador, Venezuela, Brasil, Uriuguay, compõe um campo progressista que cumpre uma função importante no processo de resistência ao imperialismo na América Latina. Isso não impede que façamos a critica a estas experiências quando se afastam dos valores e ideais mais caros aos socialistas e libertários. Um destes valores é a solidariedade internacionalista, o apoio a todos aqueles que lutam contra a opressão capitalista e por isso são identificados pelo império como "terroristas".
Por isso não aceitamos a ação do governo bolivariano da Venezuela de entregar para o governo direitista da Colombia, o diretor da Agencia Anncol, Joaquim Bacerra, que foi um dos poucos militantes da União Patriótica que escapou do exterminio que matou mais de 5 mil militantes deste partido nos anos 90.
O Jornalista Joaquim Becerra foi obrigado a mudar sua nacionalidade para sobreviver . Por tudo isso achamos inaceitável o que foi feito pelo governo que sempre defendemos como uma das vanguardas latinoamericanas de resistencia ao capitalismo.

Podemos engolir muitas limitações e retrocessos dos governos progressistas desde que não atinjam de forma direta e convarde os revolucionários que entregam sua vida pela causa anticapitalista.

Nesse sentido, corroboramos e assinamos em baixo a carta de repúdio escrita por Carlos Aznárez e publicada no blog brasileiro da ANNCOL.www.anncol-brasil.blogspot.com


ASSIM NÃO, COMPANHEIRO CHÁVEZ

ESCRITO POR CARLOS AZNÁREZ

O jornalista Joaquín Perez Becerra, algemado como se fosse um delinquente, é trasladado pela Guarda Nacional venezuelana e enviado à Colômbia: Uma página vergonhosa para a história revolucionária latino-americana.

Esta segunda-feira, 25 de abril, passará para a história das lutas revolucionárias como o dia em que atiraram ao lixo os princípios mais elementares de solidariedade internacionalista. Não é possível permanecer calado, nem fingir que não vemos quando um irmão, um colega, um companheiro, um revolucionário, é enviado à tortura e ao cárcere na Colômbia, por culpa de acordos espúrios (quase sempre econômicos, porque o maldito dinheiro, você sabe, cheira à enxofre, companheiro Chávez).

O que, por lógica, não poderia acontecer, aconteceu: Joaquín Pérez, excelente jornalista da agência alternativa ANNCOL, que nutre o profissionalismo daqueles que praticam o jornalismo sem vendê-lo e nem alugá-lo, foi deportado pelo governo revolucionário, para que o governo fascista de Juan Manuel dos Santos o julgue e o maltrate.

Isto, companheiro Chávez, sua (nossa) admirada Cuba não teria feito e nos consta que não o fez em seus 52 anos de existência rebelde. Jamais teria cedido um milímetro (sempre esteve sendo pressionada, tanto como agora) pelos inimigos dos povos latino-americanos. No entanto, não podemos dizer o mesmo de seu governo, apesar de, você bem sabe, termos colocado nossa cabeça a prêmio para respaldar-lhe à frente de seu povo. Não somos daqueles que se emudecem quando percebem que algo anda mal, porém também não somos do tipo que colocam paus na roda, tampouco fazemos o jogo do inimigo, conspirando ao primeiro erro de um processo revolucionário. Por conta do ocorrido (que não foi uma coisa pequena), dizemos a você, companheiro Chávez: lamentavelmente, este erro grave deixará sequelas.

É claro que já existiam antecedentes em seu governo. Foram eles que nos advertiram sobre o equivocado caminho trilhado, principalmente no que se refere à solidariedade internacionalista. Primeiro, no começo de seu governo, um companheiro basco, que se encontrava legalmente refugiado na Venezuela, foi expulso. Em seguida, começou o romance com Santos e foram enviados para a Colômbia, da pior maneira possível, vários companheiros do ELN e das FARC. É preciso recordar que o internacionalista basco também foi expulso sem nenhuma razão, mesmo sabendo-se que, na Espanha, (a do Rei que o insultou com aquele bordão “Por que não se cala?”, e de Zapatero) se violam todos os direitos humanos de bascos e bascas. E agora, a cereja do bolo, em função do acordado na reunião com Santos.

Nos dá raiva escrever esta nota. Nunca pensamos ter que escrevê-la, mas nos ensinaram na política da rua, essa que se pratica nos bairros, nas fábricas, nas comunidades, que o pior que pode ocorrer a um homem ou uma mulher é não se sensibilizar frente a injustiça ou, em nome das benditas “políticas de Estado”, buscar argumentos para, finalmente, abrir mão de valores, de forma submissa, perante os inimigos de nossos povos.

Companheiro Chávez, nós que apoiamos sua revolução desde fins de 1998, que nos mobilizamos no exterior para defendê-la quando o fascista Carmona tentou frustrá-la ou quando a oligarquia petroleira tentou o mesmo em 2002, nós que defendemos a ALBA e tudo o que isso significa, perguntamos a você: temos que ter cuidado ao viajar para a Venezuela para que não nos acusem de terroristas?

Nós que não calamos e nem deixamos de defender os que lutam no mundo contra o fascismo e o imperialismo, por isso respaldamos os lutadores independentistas bascos, os combatentes das FARC e do ELN e todos os que, como eles, dão suas vidas pela liberdade e pela soberania, nos perguntamos: seremos os próximos expulsos, extraditados, entregues aos inimigos da Revolução Bolivariana?

Hoje, nos sentimos feridos, doloridos, desconcertados, porém alertas. Sabemos que nos covis dos inimigos, dos nossos e dos seus, companheiro Chávez, ocorre uma fenomenal festa. Imaginamos a senhora Clinton, o Obama, a oligarquia colombiana, os escritores de "El Tiempo" ou "El Expectador" e toda essa máfia de assassinos, torturadores e gestores da destruição de povos inteiros, rirem e dizerem – desta vez, com razão – que obtiveram uma vitória contra a solidariedade, povo a povo.

Repetimos, companheiro Chávez: humilde, mas revolucionariamente, você se equivocou. Infelizmente, este erro não tem desculpa, não possui maneira alguma de minimizar o que foi feito ao companheiro Pérez Becerra. Só nos resta pedir que reflita por um momento, que pense em como se sentia quando esteve algemado, juntamente com seu Movimento Bolivariano Revolucionário, em 2000. Como seria seu destino ante uma circunstância parecida? Assim, seguramente você compreenderá a decepção descomunal gerada pela atitude tomada por seu governo.

Novamente, a partir da Argentina, voltamos a pedir que a solidariedade seja defendida com todas as forças. É por isso que abraçamos o companheiro Joaquín Pérez Becerra e exigimos sua liberdade imediata. Antes, perdemos a batalha, fazendo o mesmo pedido ao governo revolucionário da Venezuela. Agora, exigimos o pronto atendimento de nossa reivindicação ao governo contra-revolucionário da Colômbia e conclamamos a todos que redobrem sua mobilização até alcançá-la.

Tradução: Maria Fernanda M. Scelza

Nenhum comentário: