terça-feira, 25 de agosto de 2009

É a terra que queria ver dividida...



"(...) - Essa cova em que estás,
com palmos medida,
é a conta menor,
que tiraste em vida.
- É de bom tamanho,
nem largo nem fundo
é a parte que te cabe
deste latifúndio.
- não é cova grande,
é cova medida,
é a terra que querias
ver dividida.
- É uma cova grande
para teu pouco defunto,
mas estarás mais ancho
que estavas no mundo.
- É uma cova grande
para teu defunto parco,
porém mais que no mundo
te sentirás largo.
- É uma cova grande
para tua carne pouca,
mas a terra dada
não se abre a boca (...)"


João Cabral de Melo Neto. Morte e Vida Severina (auto de Natal pernambucano), in Morte e Vida Severina e outros poemas para vozes.

Nenhum comentário: