terça-feira, 18 de agosto de 2009

A batalha do MST no sul do Brasil


Neste video produzido pela Catarse, com depoimentos dos trabalhadores e trabalhadoras rurais, é possível dimensionar a grave situação que vive o Rio Grande do Sul

O Rio Grande do Sul que já foi o "Estado da participação Popular", é o hoje o Estado da corrupção e da repressão. Onde a direita governa a situação é sempre a mesma, seja no executivo estadual ou municipal. São Gabriel e um dos municípios localizados na região mais pobre do Estado, caracterizada pelo latifundio improdutivo. Grandes propriedades que não cumprem a função social da terra como manda a Constituição Federal. É lá, nesse município, onde se localiza a enorme Fazenda Southal, ocupada pelo MST. Nessa mesma fazenda, dado o seu tamanho ja foram criados três assentamentos.

Neste mês o movimento realizou uma jornada de lutas nacionais reivindicando o assentamento imediato das milhares de familias que ainda continuam acampadas a espera de terras para trabalhar. No ato realizado no dia 15 de agosto, na prefeitura de São Gabriel para exigir políticas públicas, que são prerrogativas do poder local, como garantia de saúde e educação para os assentamentos já existentes no municipio, os trabalhadores foram brutalmente reprimidos pela Brigada Militar (Polícia Militar gaucha)como se fossem bandidos.

Seria kafkiano se não fosse trágico, enquanto a quadrilha que roubou mais de 40 milhões de reais dos cofres públicos continua governando o Estado, trabalhadores que reinvindicam os direitos sociais mínimos resguardados na Constituição, são tratados como foras-da -lei e marginais perigosos. Para estes não ha julgamento há sim condenação sumária, prisões e torturas. Para aqueles, filhotes da lúmpem-burguesia que tomou o Estado de assalto, defesa incondicional e "benefício da dúvida", afinal são todos "homens de bem", probos, brancos e proprietários.Esse é o Estado do Rio Grande do Sul, no mês de agosto de 2009.

Um Estado que criminaliza o povo e os movimentos sociais e absolve quadrilhas de delinquentes que assaltam, de colarinho branco, os recursos públicos do próprio povo.

Nenhum comentário: